20.3 C
Brasil
domingo, maio 9, 2021

‘Pantera Negra 2’: Marvel dá detalhes de sequência sem Chadwick Boseman

Com diversos cinemas fechados há mais de um ano, a Marvel decidiu relembrar a emoção de ver uma superprodução nas telonas e divulgou nesta...

O próximo desafio da Apple: smartphone com visor dobrável

Desde que lançou, em 1984, o Macintosh, primeiro computador pessoal de uso verdadeiramente amigável, a Apple tem mudado a sociedade com inovações que alteram até mesmo a percepção que as pessoas têm do mundo ao redor. Em 2001, ela levou a indústria fonográfica à lona com o iPod: uma nova forma de ouvir centenas de músicas em um único diminuto aparelho. O lançamento do primeiro iPhone, em 2007, e do iPad, três anos depois — com suas telas sem botões e sensíveis ao toque —, impactou a humanidade de tal forma que as crianças nascidas a partir de 2010 têm sido chamadas de geração Glass (vidro) devido à fácil assimilação da tecnologia “touchscreen” desde a tenra idade. De 2007 para cá, mais de 2,2 bilhões de unidades de iPhone foram vendidas em todo o planeta e o número não para de crescer. O próximo desafio, ao que tudo indica, terá a mesma magnitude das inovações anteriores, de imensa repercussão: oferecer ao público uma tela de smartphone maior que possa ao mesmo tempo ser transportada no bolso. Em outras palavras, uma tela dobrável.

GALAXY Z FOLD – O smartphone dobrável da Samsung fez sua estreia em abril de 2019, enfrentando críticas por causa de quebra de tela e outras falhas no aparelho. Superada a dificuldade inicial, foi relançado com boa aceitação –Wang Gang/VCG/Getty Images

Para alcançar a liderança também nessa família de produtos, puxada pela Samsung, Motorola e Huawei, com a Xiaomi correndo por fora, a Apple tem se desdobrado — e costura alianças improváveis. Segundo profissionais especializados em interpretar os bastidores da empresa (e eles não costumam errar, sempre muito bem informados), a companhia deu as mãos para a arqui-inimiga Samsung, que forneceria as telas. Soa estranho, mas não é. A fabricante sul-coreana é a principal fornecedora de telas do tipo OLED, que compõem o iPhone.

Lembre-se que a Samsung lançou o expansível Galaxy Fold em abril de 2019 debaixo de críticas. Muitos usuários experimentaram incidentes como rachadura na tela e problemas de conexão. As reclamações foram tantas que o então CEO da empresa, Koh Dong-jin, em ato de contrição, desculpou-se publicamente. Superadas as dificuldades, 1 milhão de unidades já haviam sido vendidas três meses depois do relançamento, sinalizando alguma adesão do público à nova tecnologia.

MATE X – A versão dobrável da big tech Huawei foi lançada na China em 2019 e apresentada na Consumer Electronics Show, em Las Vegas, em janeiro de 2020. Quando desdobrado, o aparelho parece um tablet de 20 centímetros na diagonal –Robyn Beck/AFP

Nesse período, a companhia liderada pelo executivo Tim Cook não dormiu no ponto. Sabe que pode depender da Samsumg, e também da LG, na compra de telas OLED, mas montou caminho próprio de modo a dar o salto decisivo. Fontes próximas da empresa disseram a jornalistas americanos que a Apple está desenvolvendo uma versão de smartphone com uma dobradiça literalmente invisível, como mágica de Harry Potter, que faria a tela ganhar o dobro da área de um iPhone 12 Pro Max, modelo top de linha com visor de 6,7 polegadas (cerca de 17 centímetros na diagonal). Em outras palavras, quando aberto, o celular ficaria parecido com um iPad.

Para além dos problemas ligados à integridade da tela, existem outras preocupações rondando o desenvolvimento dos smartphones dobráveis, que vão desde a vida útil da bateria, menor que nos celulares existentes hoje, até uma dispendiosa adaptação do software para os novos aparelhos. Além disso, a menos que os técnicos consigam tornar o iPhone ainda mais fino, ele tenderia a ficar volumoso demais quando dobrado, algo que de fato ocorre com o Galaxy Fold — que tem quase 2 centímetros de espessura na área da dobradiça e incomoda a manipulação do usuário.

RAZR – O dobrável da Motorola, lançado em fevereiro de 2020, é o mais compacto de todos. Ao contrário de seus concorrentes, o objetivo é ganhar a dimensão de uma tela-padrão quando desdobrado. Seu design lembra os antigos flip phones –Neil Godwin/Getty Images

Espera-se o anúncio de novos iPhones e iPads nos próximos meses, mas a Apple, bem a seu feitio, mantém sob sigilo máximo o projeto de telas dobráveis para smartphones. O que mais se fala no mercado é de um modo wireless mais eficiente de carregamento de bateria, que eliminaria definitivamente a porta do aparelho onde é conectado o cabo para carregar. A opção por indução magnética já existe, mas é pouco explorada. Em se tratando de Apple, entretanto, é sempre bom não subestimar o efeito-surpresa. Gigante da tecnologia e campeã em marketing — tanto na capacidade de compreender os anseios das pessoas quanto no esforço contínuo de se reinventar —, a empresa criada pelo visionário e irascível Steve Jobs (1955-2011) há 45 anos tem em seu DNA a marca do fundador: a inovação. Seu faturamento no ano fiscal de 2020 foi de 274 bilhões de dólares (leia na seção SobeDesce), sinal de impressionante robustez. Superando a Amazon como a marca mais valiosa do mundo, ela provavelmente continuará na liderança por um bom tempo, com ou sem telefones dobráveis.

Publicado em VEJA de 3 de fevereiro de 2021, edição nº 2723

Continua após a publicidade

Latest Posts

Pioneiro da internet no Brasil, empresário Aleksandar Mandić morre aos 66 anos

Considerado um dos pioneiros da internet no Brasil, Aleksandar Mandić morreu na tarde desta quinta-feira, 6, aos 66 anos. A informação foi anunciada por...

Filha de Beth Carvalho diz que pediu para Bial entrevistar Lula, mas foi censurada

O “Conversa com Bial” exibido na última quinta-feira, 6, na Globo, fez uma homenagem à cantora Beth Carvalho, que morreu em abril de 2019...

Tiago Leifert comenta vitória de Juliette no ‘BBB 21’: ‘Apanhou muito na casa’

O apresentador Tiago Leifert surpreendeu o público ao mudar sua estratégia na final do “BBB 21” sendo que, ao invés de anunciar quem ficou...

Jesse Williams deixa elenco da série ‘Grey’s Anatomy’ após 12 temporadas

Jesse Williams é mais um ator que está se despedindo de “Grey’s Anatomy”, série na qual interpreta o cirurgião Jackson Avery desde a 6ª...

Ultimas Notícias

Final do ‘BBB 21’ terá shows de ex-participantes e apresentação de dentro da casa

O Big Brother Brasil 2021 termina na próxima terça-feira, dia 4. Ainda sem a definição dos finalistas, que será confirmada nesta noite, o programa...

Band confirma contratação de Faustão: ‘Sua volta é motivo de enorme alegria’

A TV Bandeirantes confirmou na tarde desta sexta-feira, 30, a contratação do apresentador Fausto Silva. Em janeiro de 2021, Faustão anunciou que não seguirá...

Apesar das críticas, Rafa Kalimann afirma que está ‘muito feliz’ com seu programa

Rafa Kalimann estreou como apresentadora na quarta-feira, 5, com o seu programa “Casa Kalimann“, no Globoplay. A primeira edição contou com a participação de...

Estudo: Olhar para o celular é contagioso

Uma nova pesquisa, coordenada por cientistas da Universidade de Pisa (Itália), sugere que checar o smartphone é uma ação contagiosa, um reflexo parecido com...

Gilberto desiste de prova de resistência e Fiuk é o primeiro finalista do ‘BBB 21’

Depois de quase 11 horas da prova de resistência da Avon Power Stay, que garantia uma vaga direto na final Big Brother Brasil 2021,...