Após a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente Jair Bolsonaro começou o fim de semana com seus tradicionais comentários na rede social Twitter pedindo a seus aliados que cuidem para não cometer erros que deem munição ao canalha, que momentaneamente está livre, mas carregado de culpa. Embora não haja menção nominal, o contexto aponta que o xingamento é direcionado a Lula, liberto da prisão na sexta-feira (8) após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) proibindo encarceramento antes de processos terem transitado em julgado. Ao deixar a sede da Polícia Federal em Curitiba, Lula fez um discurso político e atacou diretamente Bolsonaro, a quem chamou de mentiroso.

Em duas postagens na rede social, o presidente da República destacou que o Brasil iniciou a recuperação econômica, mas que isso não é um processo rápido. E afirmou que sem um norte e um comando, mesmo a melhor tropa, se torna num bando que atira para todos os lados, inclusive nos amigos.

Amantes da liberdade e do bem, somos a maioria. Não podemos cometer erros. Sem um norte e um comando, mesmo a melhor tropa, se torna num bando que atira para todos os lados, inclusive nos amigos. Não dê munição ao canalha, que momentaneamente está livre, mas carregado de culpa. pic.twitter.com/NSMjtytuDO

? November 9, 2019

Horas depois, ao sair do Palácio do Alvorada para um almoço no Clube dos Sargentos do Exército, em Brasília, Bolsonaro disse que, apesar de o ex-presidente Lula ter sido libertado na sexta-feira (8), as imputações criminais contra ele continuam prevalecendo.

Não vamos dar espaço, nem contemporizar com presidiário. Ele está solto, mas continua com todos os crimes dele nas costas, disse a jornalistas.

Questionado se irá participar de alguma manifestação contra a liberdade de Lula durante o sábado, Bolsonaro disse que tem futebol às cinco da tarde. Ele afirmou que outro post sobre o assunto está programado para mais tarde.

Antes de falar à imprensa, ele cumprimentou e tirou fotografias com cerca de vinte apoiadores que o aguardavam na porta da residência oficial.

Em resposta a Bolsonaro também no Twitter, a deputada estadual por São Paulo Janaina Paschoal (PSL) pediu que ele refletisse sobre a própria postagem, em menção, também indireta, à crise interna do partido deles.

Presidente, leia novamente a postagem e reflita sobre o trecho sem UM norte e UM comando, mesmo a melhor tropa, se torna um bando que atira para todos os lados, inclusive NOS AMIGOS, escreveu a parlamentar, que foi uma das protagonistas do processo de impeachment de Dilma Rousseff, em 2016.

Moro também comenta decisão do STF

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, também se pronunciou, no Twitter, sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou, na noite de quinta (7), a legalidade da prisão após condenação em segunda instância, abrindo caminho para soltar o ex-presidente Lula e outros presos pela “Operação Lava-Jato”.

“A decisão do STF deve ser respeitada, mas pode ser alterada, como o próprio Min. Toffoli reconheceu, pelo Congresso”, escreveu Moro.

Lutar pela Justiça e pela segurança pública não é tarefa fácil.Previsíveis vitórias e revezes. Preferimos a primeira e lamentamos a segunda,mas nunca desistiremos.A decisão do STF deve ser respeitada,mas pode ser alterada,como o próprio Min. Toffoli,reconheceu, pelo Congresso. pic.twitter.com/3ZGFr0cvT8

? November 9, 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *